segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

AÉCIO NEVES SAIRÁ NO LIVRO DOS RECORDES




O Ex-Governador de Minas Gerais Aécio Neves foi indicado para o Guinness Book após bater o recorde de candidato que perdeu o maior número de turnos dentro de uma mesma eleição.

Especialistas afirmam que Aécio sofre de um raríssimo caso de fracasso que subiu à cabeça. Dessa forma, após a derrota nos dois turnos da eleição presidencial de 2014, o candidato busca desde então diariamente mais turnos para ser derrotado.

Um dia após o encerramento do segundo turno eleitoral de 2014, Aécio e seus aliados já iniciaram o terceiro turno da eleição buscando junto ao TSE a impugnação das contas da Campanha da candidata vencedora do pleito. Assim que as contas da campanha vencedora foram aprovadas e o candidato foi mais uma vez derrotado, iniciou imediatamente o quarto turno, buscando impedir a diplomação da Presidente e, após mais essa derrota, no quinto turno tentou impedir a posse.

O Senador ainda apoiou dois movimentos grevistas de caminhoneiros que prometiam parar o Brasil, além de pelo menos três “grandes” manifestações de pessoas, convocadas e orientadas por uma grande rede de televisão a irem a passeios dominicais em praças públicas de capitais brasileiras devidamente vestidas com camisetas com o brasão da CBF. E, finalmente, após o fim do “acampamento pelo impeachment” no pátio do Congresso por um movimento de jovens apoiados por ele e mais uma manifestação “espontânea” fracassada no dia 13 de dezembro de 2015, o candidato conseguiu chegar à incrível marca de 12 turnos com derrotas em uma mesma eleição, conquistando assim a tão sonhada e merecida indicação ao livro dos recordes.

Entretanto, mesmo após o recorde alcançado, fontes ligadas ao Senador, que não quiseram se identificar, indicam que ele não irá parar por aí. Além dos três processos abertos pelo seu partido que caminham no TSE buscando a impugnação do mandato eletivo da Presidente, Aécio Neves ainda participa ativamente da tentativa capitaneada pelo seu aliado político Eduardo Cunha de emplacar um processo de impedimento da Presidente sem qualquer base legal.

A maioria dos especialistas políticos consultados pela nossa equipe de reportagem não arriscou projeções, mas alguns acreditam que até 2018 o candidato possa superar a inacreditável marca de 20 turnos perdidos dentro de uma mesma eleição, o que seria um recorde praticamente imbatível.

As mesmas fontes ligadas ao candidato ainda citam que ele tentará o golpe mais emblemático antes das próximas eleições presidenciais. Aécio Neves é completamente contrário à tese defendida por seu avô, de que um país democrático é onde a maioria da população escolhe seus representantes. Essa definição é completamente estapafúrdia do ponto de vista do Senador, que tentará uma mudança na Constituição, de forma a fazer com que o Presidente da República passe a ser escolhido por uma comissão de importantes jornalistas da revista Veja, da Época, da Rede Globo e da Rádio Arco-íris, da qual é proprietário. Dessa forma, finalmente o Brasil terá uma democracia de verdade e não mais essa vergonhosa “ditadura bolivariana” onde as pessoas podem escolher seus representantes através do voto universal.



·    * Texto dedicado à memória de Tancredo Neves, que esbravejou contra o golpe em 1964, ajudou a redemocratizar o país e deve estar se debatendo no túmulo a cada nova manobra golpista protagonizada por seu neto.


quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O GRANDE CIRCO MIDIÁTICO E A CONTAMINAÇÃO DOS PODERES DA república.

O ano de 2015 vai chegando ao fim. Nesse ano o Judiciário no Brasil foi protagonista. De alguns anos para cá, a partir da eleição do Presidente Lula, a Polícia Federal e o Ministério Público vêm cada vez mais ganhando autonomia para investigar e, a partir disso, foram desencadeadas cada vez mais operações, culminando com um 2015 cheio de notícias nos jornais, com prisões de executivos, banqueiros e políticos. A sensação nos noticiários é de que o Brasil está sendo passado a limpo e a corrupção, que desde a chegada dos portugueses nos atormenta, está sendo combatida finalmente. Então a pergunta que faço é a seguinte:

- AS OPERAÇÕES DA JUSTIÇA ESTÃO DE FATO AJUDANDO O BRASIL NO COMBATE À CORRUPÇÃO?

À primeira vista e a partir dos comentários eufóricos na grande mídia a resposta parece óbvia, entretanto no Brasil há dois campos políticos fortes e bastante distintos, mas percebe-se claramente que a Justiça é ágil e conta com o auxílio forte de toda a grande mídia apenas quando as denúncias recaem sobre um desses campos políticos. Isso é muito claro quando percebemos que ainda há uma infinidade de perguntas sem respostas. Cito apenas algumas:

- Por que o mensalão tucano, de Minas Gerais, que aconteceu em 1998, antes do badalado mensalão petista continua parado na Justiça? - http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/11/1701423-mensalao-tucano-continua-parado-na-justica-de-minas-gerais.shtml

- Por que o inquérito sobre o cartel de trens nos sucessivos Governos do PSDB em São Paulo está completamente parado há 1 ano na Justiça? - http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/11/1709618-inquerito-sobre-cartel-de-trens-de-sao-paulo-esta-parado-ha-um-ano.shtml

- Por que a compra de votos para a emenda da reeleição do Fernando Henrique Cardoso nunca foi investigada, apesar das provas cabais? - http://jornalggn.com.br/noticia/provas-da-compra-votos-pela-reeleicao-de-fhc-eram-cabais-conta-jornalista

- Por que o Procurador Geral da República arquivou denúncia da Lava-a-jato contra o ex-senador Aécio Neves, acusado pelo maior delator de toda a operação, o doleiro Alberto Youssef. E por que a denúncia ganhou repercussão em todo o mundo, menos nos jornais da grande mídia do Brasil? - http://jornalggn.com.br/noticia/o-mundo-noticiou-que-aecio-neves-teria-recebido-propina

- Por que a lista de Furnas, que envolve pagamento de propinas para diversos políticos do PSDB e do DEM, mesmo após ter sua autenticidade confirmada não é investigada pela Polícia Federal e Ministério público? - http://www.conversaafiada.com.br/politica/2014/12/19/a-lista-de-furnas-e-autentica

- Por que que mesmo com tantos indícios de irregularidades na execução do aeroporto de Cláudio, executado pelo Governador Aécio Neves nas terras da sua família, os processos de investigação são arquivados? - http://www.diariodocentrodomundo.com.br/por-que-a-denuncia-contra-o-aeroporto-do-tio-de-aecio-foi-arquivada-por-joaquim-de-carvalho/

- De quem são os 450kg de pasta de cocaína encontrados no helicóptero de propriedade do Senador Zezé Perrella, grande aliado político de outro mineiro já citado acima? - http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2013/11/helicoptero-com-cocaina-no-es-e-da-familia-do-senador-zeze-perrella.html

Enfim, eu poderia ficar aqui por horas citando perguntas sem resposta como essas e, a partir da existência delas, chego a uma conclusão: A Polícia Federal e o Judiciário Brasileiro, com apoio total e irrestrito da mídia, não estão fazendo justiça, estão apenas fazendo política, pois a justiça só pode ser definida assim se for imparcial e tiver o mesmo peso para todos os cidadãos. Dessa forma, volto para a pergunta que fiz no início do texto:

- AS OPERAÇÕES DA JUSTIÇA ESTÃO DE FATO AJUDANDO O BRASIL NO COMBATE À CORRUPÇÃO?

Na minha opinião, é evidente que NÃO.

Fazendo justiça seletiva, não se combate absolutamente a corrupção, só se enfraquece um dos campos políticos, dando mais poder ao outro, que, por sua vez, continua impune e agindo de forma ilícita, sem qualquer constrangimento. Efetivamente esse tipo de “justiça” não ajuda em absolutamente nada, pois não modifica os vícios do sistema, apenas transfere o poder político e manipula a opinião pública. Sou totalmente favorável a que todos agentes públicos sejam julgados pelos seus atos e, em caso de crimes de corrupção, sejam presos, TODOS ELES. Entretanto repito que justiça seletiva é completamente ineficaz, é só mais do mesmo, mais política em um país que precisa efetivamente de mais justiça.

A justiça, por definição, deveria valer da mesma forma para todos.

Para completar, faço um capítulo específico sobre o grande circo político armado pela grande mídia em torno desses seletivos fatos para aniquilar a opinião pública dos brasileiros.

A grande mídia tem trabalhado em conjunto com os delegados da Polícia Federal, recebendo vazamentos seletivos de delações, antes mesmo dos advogados dos acusados, mas apenas a parte que interessa é vazada. Há anomalias jurídicas diversas nos processos, prisões arbitrárias, coações aos réus, atitudes que atentam contra o estado democrático de direito, mas todas com o devido consentimento e respaldo dos velhos barões da mídia e de seus jornalistas, que acham tudo normal, ao menos enquanto as atrocidades prejudicam o lado que desejam atacar, aí tudo está valendo, em nome da “moralidade e limpeza do Brasil”. Mas qual o interesse dos grandes grupos de mídia em derrubar o Governo?

Os interesses dos grupos de mídia, controlados por poucas famílias riquíssimas, são diversos, suas razões e manobras nem sempre são claras, mas o golpismo está no DNA da nossa imprensa.
Em 1964, o Sr. Roberto Marinho foi fundamental no golpe de estado que colocou os militares no poder, com uma campanha sórdida e manipulações de todas as espécies, ajudou a implantar a ditadura no país. Como prêmio, recebeu uma valiosa concessão de televisão do Regime Militar e montou a TV Globo, de forma ilícita, com dinheiro do exterior, o que era vedado pela Constituição, mas os militares ajudaram com isso também e receberam apoio da TV Globo durante todo o vergonhoso regime ditador, que matou, torturou, roubou, tudo nas barbas do Sr. Roberto Marinho, que nunca moveu uma palha contra os generais.

No livro do jornalista Paulo Henrique Amorim, intitulado brilhantemente de “O Quarto Poder”, ele explica que posteriormente, já no regime democrático, durante o governo do Presidente Sarney, quem realmente governou o Brasil foi o Sr. Roberto Marinho. Ainda no mesmo livro, o jornalista cita, com todo o conhecimento de causa de quem vivenciou de dentro toda a história da imprensa brasileira:

“Em nenhuma democracia séria do mundo jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PIG, Partido da Imprensa Golpista”.

Qual o direito da TV Globo, por exemplo, de esconder o escândalo bilionário de corrupção do CARF, investigado através da operação Zelotes, onde só a RBS, sua maior afiliada, está envolvida em um escândalo de sonegação de cerca de R$ 600 milhões. Qual o direito que a mídia tem de esconder fatos importantes que vão contra seus interesses? E qual o direito que a mídia tem de escolher um lado político e trabalhar para ele?

A distinção é absurdamente descarada, nas barbas de todos os brasileiros, mas alguns insistem em não querer enxergar. Por exemplo, a mídia criminaliza doações de empresas para o PT, que efetivamente devem ser investigadas e se houve ilícitos, devem ser apurados, entretanto, doações das mesmas empresas para o PSDB, com valores iguais e às vezes até superiores, são consideradas normais, e não levantam qualquer suspeita, nem da mídia, nem de nossas instituições “democráticas”, nem de nossos heroicos Juízes. Por que?



Esse circo está armado há tempo. Enquanto a mídia toda atacava indiscriminadamente um lado, o “outro lado” foi avançando em pautas como a liberação de agrotóxicos proibidos em vários países, a diminuição das leis trabalhistas, a retirada de direitos das mulheres, a não rotulagem de transgênicos, o ataque às minorias e, no golpe mais genial e sádico, elegeram o Sr. Eduardo Cunha como Presidente da Câmara dos Deputados, um Deputado com participação no esquema PC Farias, acusado de superfaturamento e irregularidades em licitações na TELERJ, fraudes em licitações na CEHAB-RJ, participação na já mencionada Lista de Furnas, envolvimento na Lava-a-jato e contas secretas na Suíça. Isso nos leva a ainda mais perguntas: Por que nenhuma instituição nunca solicitou ao STF a prisão do Eduardo Cunha? Por que o Procurador-Geral da República Rodrigo Janot não pediu o afastamento dele da Presidência da Câmara dos Deputados, uma instituição de extrema importância para a democracia?

E quando se imagina que se chegou ao fundo do poço, a tragédia ganha mais um apoteótico capítulo, que nem o mais criativo dos roteiristas de ficção poderia pensar: Esse mesmo Eduardo Cunha abre um processo de impedimento contra a Presidente da República, eleita pela maioria dos brasileiros e contra quem não pesa nenhuma denúncia de corrupção, e, incrivelmente, a mídia trata disso como uma coisa normal, aceitável. Parece até piada, seria mesmo muito engraçado se não fosse trágico. Como pode ter qualquer valor um processo aberto por esse cidadão, nessa situação em que se encontra? Nossas instituições foram contaminadas pelo “Quarto Poder”, o Brasil, mais do que nunca, virou um verdadeiro circo. Os barões de mídia montaram um gigantesco circo, nos colocaram para dentro e agora colocaram fogo.

A conclusão é óbvia: enquanto não aparecer ninguém para enfrentar esse vergonhoso monopólio de comunicação, que despolitiza e manipula, que não existe em nenhuma democracia consolidada no mundo, seremos sempre uma republiqueta e nossas instituições jamais serão verdadeiramente democráticas.


Que falta gigantesca que faz o velho Leonel.